Quem Somos

      A Sociedade Protectora dos Animais do Porto (SPAP), foi fundada a 30 de Maio de 1878, por um conjunto de pessoas liderado pela Exma. Sra. D. Alice Ulsenbos, filha do ilustre cônsul Holandês Conrad Ulsenbos. A 9 de Novembro de 1878, foram aprovados os estatutos por alvará do Governo Civil do Porto. Aquando da sua criação, a Sociedade centrava-se na protecção de animais de tração, uma vez que era notório o trabalho excessivo e o sofrimento dos animais que durantes longas horas subiam as ingremes calçadas da cidade do Porto, encontrando-se sujeitos a esforços físicos astrosos.

A primeira acção da Protectora dos Animais foi a colocação de fontanários em determinados locais da cidade do Porto, para que os animais pudessem usufruir de água. Com a substituição dos animais por veículos motorizados, a Sociedade Protectora dos Animais do Porto sofreu uma nova orientação, começando a centrar-se na prestação de cuidados a animais de estimação.

Procedeu-se ainda à construção de uma sede na Praça de Carlos Alberto, num segundo andar, que foi adaptado para a instalação de um consultório, onde os serviços de veterinário, a tempo parcial, eram reservados para associados. Com o evoluir dos anos e após alguma contenda no parlamento, consegue a fundação ser abrangida pela declaração de utilidade pública particular por lei de 16 de Março de 1914.

      Em 1969, o Benemérito José Maria Nascimento Cordeiro assume a presidência, cargo que ocupou até à sua morte a 4 de Maio de 1984, e concretiza o sonho de muitas gerações, ao doar a Quinta das Tílias à instituição, tornando a Sociedade Protectora dos Animais do Porto numa organização de acolhimento de animais, dando abrigo a cães e gatos que se encontravam desprotegidos na via pública.

Entre 1970 e 1974 construiu-se 100 canis, e deu-se protecção a 300 animais. Na mesma época, entrou para os corpos gerentes o Exmo. Sr. Engº Abílio Augusto Cavalheiro, que após a morte do Sr. Nascimento Cordeiro assume a presidência. No início dos anos 80 constrói-se o complexo hospitalar, sendo o seu director clínico o Dr. Manuel Lopes Gonçalves Garcia, que exerce as funções de veterinário a tempo inteiro.

Durante a presidência do Engº Abílio Cavalheiro inicia-se uma nova fase na vida da Sociedade Protectora dos Animais, adquirindo uma nova imagem e projecção. O Eng º Abílio Cavalheiro oferece todo o material para construção dos novos canis, passando a albergar 700 animais em regime permanente.

Após a morte do Sr. Engº Abílio Cavalheiro, ocorrida em 7 Outubro de 1992, assume a presidência o Sr. Eng.º António Ferreira Marquitos, que se mantém no cargo até ao ano de 1997, altura em que se afasta por motivos de saúde. Nessa altura assume a presidência o então vice-presidente Sr. Jorge Vieira da Rocha, que é reconduzido no cargo por eleições realizadas em Outubro de 1999.

Com as eleições, que mantiveram os corpos sociais quase intactos, é dado conhecimento aos sócios da situação financeira dos três anos anteriores, o que resultou numa preocupação por parte dos mesmos com o rumo que a instituição estava a tomar, originando a solicitação da destituição em tribunal dos principais membros dos corpos sociais, que foi conseguida.

      Em Março de 2002, é eleita uma nova direccção, presidida pela Sr.ª D. Ermelinda Oliveira Martins, que procurou uma solução que permitisse pagar o enorme passivo e, também, encontrar um projecto financeiro que trouxesse sustentabilidade à instituição, assim como descobrir possíveis locais onde se pudesse construir de raiz instalações modelares ao serviço dos animais.

Actualmente, o grande objectivo da Sociedade Protectora dos Animais consiste na construção de um santuário animal, para o qual já existe projecto e terreno adquirido em Gondomar, mas cujo licenciamento da obra, infelizmente, se encontra em processo judicial.

Em semelhança aos nossos antecessores, não iremos desistir de concretizar o sonho da organização, e o santuário animal da Sociedade Protectora do Porto será uma realidade!